Deixa passar

Uma montanha-russa de emoções dissonantes: medo, solidão, ansiedade, aflição, dúvida, tristeza, lamento, angústia… Dissonantes? Parece que há um engano aqui, já que estão todas muito bem direcionadas… para o buraco, para a escuridão da desesperança.

A razão ordenava ao cérebro: “ACALMA-TE. Tudo está bem, seus filhos são saudáveis e você está em perfeita harmonia, preparada para recebê-los. Mantenha-se confiante, afasta esse medo que só atrairá energias negativas, você chegou bem até aqui, por que destruir tudo que foi arduamente construído? Concentra e volta a crer, mulher!”
Quanto mais forçava, mais encontrava resistência e vontade de chorar; o desespero instalara-se.
A cada nova tentativa de auto-controle, o tecido se esgarçava e pelas frestas esvaía-se a fé. O movimento era, literalmente, forçado e inócuo.

Havia tempo antes da consulta e foi no carro mesmo que resolveu desacelerar essa carreta desgovernada. Inspira e expira, visualizando um calor verde percorrendo todo o corpo, concentrando na região do abdômen, nosso centro imunológico (e sua atual região mais frágil), oxigena, expande, liberta…
Deixa fluir, deixa passar o que não te serve, os pensamentos continuam a vir, mas cada vez com menos potência de te atingir a esperança.
De repente, uma inspiração: vai concentrando num saco tudo de ruim que te aflige… pega tudo, vai… não deixe que nada lhe escape… Os batimentos vão se acalmando e à medida que enche-se o depósito das angústias, sente-se cada vez mais leve. E assim é capaz de flanar pelo espaço, sem som, sem medo, sem dor… a viagem foi feita para lá libertar o saco que concentra tudo que há (havia) de ruim.
As extremidades dormentes indicavam um nível de relaxamento regenerador. O retorno banhado por raios do sol de outono aqueceu o corpo, a alma, trouxe harmonia interior e pregou um sorriso em seu rosto.

Era outra a mulher que despertou dessa viagem que não levou mais de 15 minutos terrestres, mas que levou-a a distâncias inimagináveis.
Confiante, vibrante, pulsando de vida… é como ela segue.
E seu útero? Quase lá… com 7,3mm e praticamente trilaminar.

Anúncios
Esse post foi publicado em Catarse, Diário, FIV e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s