para sempre

você não sente falta de falar comigo? de saber como estou ou o que tenho feito? eu sinto sua falta, mas entendo essa necessidade de distância. pode ser que a proximidade nos fizesse fraquejar e tudo fosse ainda mais doído. ou talvez seja melhor simplesmente não saber que o outro é capaz de sobreviver (talvez até viver) sem nossa presença. achávamos-nos tão importantes e indispensáveis, né? e durante tanto tempo que mais parecia uma vida inteira (retalhada e cheia de ocos, no entanto).
ainda há dias (como hoje) em que sofro ausências grandiosas, memórias que me trazem sorrisos e lágrimas, desejos e gratidão, saudades transbordantes.
admiro nosso ato de coragem.
admiro a valentia diária de seguirmos adiante, de pisar no desconhecido (com cuidado já que há muito não andávamos sozinhos) e descobrir (ou desbravar) um infinito de possibilidades.
meu maior desejo é que sejamos (ou possamos nos tornar) abundantes de vida.
meu amor será para sempre (a promessa que permanecerá).

Anúncios
Esse post foi publicado em Catarse, Diário e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s